sexta-feira, 20 de maio de 2011

O sorriso de Helena


Era uma quente tarde de verão. Ela estava parada lá, de frente ao espelho, olhando sua aparência normal e depreciada. Não era feia, fato, mas também não era linda. Normal, apenas normal. Constantemente debruçava-se sobre livros, se perdia em suas histórias, comia, banhava-se, preparava-se e saia para trabalhar. Voltava para casa e tudo se repetia, não havia ânimo, não havia alegria, só existiam os dias e ela apenas os observava passar.

Contudo, naquela tarde tudo mudaria.

Na rotineira ida ao trabalho enquanto caminhava, Helena avistou-o. Seria realmente ele? Ela não tinha certeza. Apertou os olhos e o encarou, era ele mesmo. Não podia ser, ele teve a coragem de aparecer por aqui? Então, ele a viu. Ficou um pouco desconfortável, mas logo recompôs sua expressão e veio cumprimentá-la. Helena disfarçou sua abominação, respirou e sorriu. Ela sabia o que ele fizera, ninguém conseguira provar, mas ela sabia.
Então, Helena e Paulo estabeleceram um diálogo, até riram juntos, foram num bar próximo e tomaram um drink. Com o passar do tempo, ela notou uma sucessão de olhares significativos lançados por ele. Seria sua chance? Ela apenas sorria. Ao terminarem a bebida, despediram-se e ele a convidou para jantar naquela noite, ela aceitou.
Não foi trabalhar naquele dia, voltou para casa. Produziu-se, olhando-se no espelho poderia até se considerar mais bonita do que de costume. Deram 21:00 horas, a hora marcada,e ele ainda não chegara. Será que não viria? 21:15 e os olhos no relógio, será que perderia sua única oportunidade? 21:30 a campainha toca. Ela se recompõe. Abre a porta.
Ele estava belíssimo, seria impossível ignorar. Chegando ao restaurante, muito fino, diga-se de passagem, sentaram-se numa mesa e fizeram o pedido. Jantaram, conversaram e conversaram, quando ela deu por si já estavam na casa dele.
- Eu sempre soube que você me queria - disse ela, com um olhar sedutor. – Só andava com meu marido por esta razão.
- Ah soube? Mas você nunca me demonstrou isso.
- Bem, agora estou fazendo mais que isso não é?
- Estou vendo. – Disse ele beijando-a.
- Por isso você o matou não foi? – Perguntou Helena.
Ele parou um pouco e olhou-a. - Como você pode dizer uma coisa dessas?
- Ah, admita. Na verdade você apenas me fez um favor, se você não fizesse, eu mesma o faria.
Paulo olhou-a um pouco desconfiado, mas manteve-se calado. Helena tornou a beijá-lo.
Então, sem que ela esperasse, ele a puxou para si com mais força.
- Sim, eu matei aquele idiota. Sempre sonhei em ter de você o que estou tendo agora!
A noite seguia. As luzes se apagaram.
Naquela manhã, debruçada no sofá, uma xícara de café de um lado, o jornal do outro, ela ouvia o noticiário: “Homem é encontrado morto com facada no peito em seu apartamento. Não há suspeitas sobre quem cometeu o crime (...)”.
Helena comeu, banhou-se, se vestiu e foi trabalhar, sua rotina seguia normalmente. Só havia uma diferença: agora ela sorria.

Por: Ilka Souza



Monocromático


Ela andava sozinha naquela rua vazia.
Tão vazia quanto seu eu, depois daquela noite tardia.
De um colorido invejável,
Seu coração dilacerado, agora apenas monocromático
Batia.
Apenas batia.
Será que pararia?
Ela não se importava.
Seguia.
Apenas seguia.
Ao adentrar sua casa,
Uma velha e comum umidade lhe preenchia a face.
Não havia mais fotografias
Ela rasgara.
Não havia mais familiaridade alguma,
Ele a tirara.
Com um breve lampejo ela lembrava
Quando por uma velha e pequena jóia
A vida de sua mãe lhe fora arrancada.


Por: Ilka Souza



terça-feira, 3 de maio de 2011

...

Ânsia. Luta.
O sabor da busca.
Desespero de desejos?
Felicidade nos êxitos?

Mas não sei o que anseio...

Os sonhos se confundem
Enquanto oportunidades surgem,
Mas será o caminho certo?
Ah,
O futuro é tão incerto!
Dai-me Pai uma dose de coragem,
Apenas uma,
Para que as estradas não me devorem, afinal,
estou sem rumo em um mundo de apuros!
Sentimentos...
Basta que fluam.


 Por: Ilka Souza
Loading...