terça-feira, 11 de dezembro de 2007

CRISE DE IDENTIDADE
Nesta altura da vida, já não sei mais quem sou. Na ficha do dentista, apareço como cliente. No restaurante, sou freguês. Quando alugo uma casa, sou inquilino. Na condução, sou passageiro. Nos correios, sou remetente. Na casa do Papai, sou Filho Na Loja Maçônica , sou Irmão. Na Faculdade, sou estudante. No supermercado, sou consumidor. Para a Receita Federal, sou contribuinte. Com o prazo vencido, sou inadimplente, Se não pago, sou sonegador. Para votar, sou eleitor. No comício, sou massa. Em viagem, sou turista. Na rua, caminhando, sou pedestre, Se me atropelam, viro acidentado. No hospital, me transformo em paciente. Para os jornais, sou vitima. Se compro um livro, viro leitor. Se ligo o rádio, sou ouvinte. Para o IBOPE, sou espectador. No futebol, eu, que já fui torcedor, virei galera. E, quando morrer, ninguém vai se lembrar do meu nome: Vão me chamar de finado, extinto, defunto, de cujus e, em certos círculos, até de desencarnado. E O PIOR: PARA O GOVERNO EU SOU UM IMBECIL. pois é. cada um escolhe o que quiser....


Luis Fernando Veríssimo
Loading...